A importância das cores no Design de Interiores

O homem convive constantemente com a cor. Ela se observa nos lares, nos ambientes de trabalho, na rua, no comércio, nos espaços de lazer, na moda, nos objetos, na natureza…

Sejam nas mais variadas tonalidades e matizes, as cores são percebidas não apenas pelos aspectos físicos, mas também por uma construção social e cultural.  Esta percepção tem a ver com a história, com a memória e com o aprendizado, e está relacionada com atributos culturais e de treinamento. É por esta razão que os esquimós enxergam diferentes tonalidades de branco, e os índios brasileiros mais variações de verde do que normalmente se identifica. Da mesma forma, quem lida muito com cor, como um artista gráfico, um designer ou um arquiteto, consegue discriminar muito mais matizes do que pessoas comuns.

12a
No livro A Psicologia Das Cores, de Eva Heller, após uma pesquisa realizada com mais de 2.000 pessoas, conseguiram demonstrar que cores e sentimentos não se combinam ao acaso e nem são uma questão de gosto individual – são vivencias comuns que desde a infância foram enraizando em nossa linguagem e pensamento.

Então para entender o efeito psicológico que uma cor pode causar, é necessário observar o contexto onde ela esta inserida, e analisar toda simbologia que pode estar atrelada à ela.

Como exemplo podemos citar o caso das 4 grandes vigas do MASP, que ao serem pintadas em 1990 de vermelho, causaram um impacto positivo, porem, se houvessem sido finalizadas assim em 1968, poderia soar como um ato subversivo, causando uma grande problema à Lina Bo Bardi, que como sabemos era comunista.

aa

CORES, SENTIMENTOS E EMOÇÕES

É provado que a cor tem um forte poder sobre as impressões e percepções das pessoas, podendo até mesmo alterar seu estado de espírito, em alguns casos. Mas o que precisamos entender melhor é como elas se comportam, na sua singularidade, com cada ser humano.

Mas também existem as questões físicas, que são de percepção ocular, e estas são similares à qualquer pessoa. Por exemplo: As cores azul e vermelho, no seu estado puro, uma ao lado da outra vibram. Isto é fato, e é um efeito ótico. Independente da idade, cultura, região do planeta, quem olhar esta dupla perceberá uma vibração.

Então, assim como as analises cromáticas não são simples, cada ser humano é um indivíduo complexo. Então é preciso traçar alguns parâmetros para analisar o que tal cor poderá despertar em cada pessoa. É o tal “cada caso é um caso”.

Mesmo que isto pareça um pouco confuso, podemos levar sempre em consideração:

– As cores exercer diversas sensações na criação de ambientes;

– Elas possuem diversas funções e podem influenciar em nosso “estado de espírito” (emoções), pois criam diferentes atmosferas, alteram visualmente as proporções de um ambiente, aquecem ou esfriam, valorizam ou criam centros de interesse;

– É um dos principais fatores na forma como nos relacionamos com nosso ambiente e o que ele nos transmite;

– Elas estimulam nossos sentidos e podem encorajar o relaxamento, o trabalho, o divertimento ou o movimento.

PSICOLOGIA DAS CORES. Funciona?

Conhecemos muito mais sentimentos do que cores, e por isto elas podem produzir diversos efeitos, que podem ser até contraditórios. Por isto é equivocado rotular uma cor com uma única finalidade.

Também é preciso entender que elas nunca estão sozinhas no espaço, e por isto recebem outras diversas interferências e isso modifica completamente o contexto.

qwa
É importante ter em mente que estes conceitos variam muito, não só de pessoa para pessoa, mas também como dissemos no início, do aprendizado social e cultural de onde parte a análise, e das características pessoais de quem ocupará o espaço.

Por isto é essencial conhecer bem o perfil do cliente, sua história, e estar consciente do que se quer despertar no ambiente.

Se você sabe que irá projetar um cozinha para um cliente que vive em dieta, é mais assertivo indicar cores frias como azul ou turquesa do que vermelho, que ira estimulá-lo por ser uma cor mais intensa. Já um quarto de uma adolescente, que costuma estar entediada e é pouco proativa, o azul poderá deixá-la ainda mais relaxada. Poderíamos optar então pelo vermelho ou laranja, que são cores estimulantes, mas… pode ser que esta jovem odeie estas cores. Neste caso não iremos despertar o dinamismo tão buscado, e sim o desconforto ou até mesmo a raiva.

azz

Então resumir e/ou reduzir uma cor à uma, duas ou três sensações, como alegria, agitação, calma, saúde, ânimo, paz, nobreza… é bem complicado, e pode não funcionar para todos.

Mas a cor têm um potencial incrível no projeto, e sabendo usá-las você poderá não apenas criar um ambiente esteticamente incrível e harmonioso, mas poderá impactar em um bem estar surpreendente ao usuário do espaço, conseguindo muitas vezes até modificar perfis ou comportamento de quem os usa.

Para perder o MEDO

aswwq

A aplicação de cores no ambiente pede equilíbrio, mas para entender esta harmonia é necessário bastante conhecimento e técnica. Mas se você quiser tentar, seguem algumas dicas básicas para não errar:

– Se pintar uma parede com uma cor forte, como o vermelho, é bom pensar em aplicar tons neutros nas outras paredes, para não sobrecarregar o espaço;

– Quando escolher cores vibrante para a parede, leve em conta a cor dos móveis e das cortinas;

– Uma boa opção de local para aplicar uma cor mais intensa seria na parede principal do ambiente, como a que fica de frente para a porta da entrada, que logo chama a atenção de quem entra. Evitar destacar paredes recortadas;

– A composição de tons de uma só cor também fica boa e pode ser feita mesclando os mais claros com os mais escuros;

– Para ampliar ambientes pequenos a regra geral é usar cores claras, combinando com outras que “afastem”, como o azul e o verde;

– No teto, dois truques básicos são usar uma cor mais escura para rebaixar o pé-direito (distância do piso ao teto) alto, “diminuindo” o ambiente, e sempre optar por branco para “elevar” o espaço diminuto;

– Uma regra para obter definição espacial é ter o piso mais escuro do que a parede, que deve ser mais escura do que o teto;

– Na cozinha, fuja da ditadura do branco. Lembre-se que cores quentes e estimulantes como vermelho, laranja e amarelo podem aumentar o apetite, então para quem tiver necessidade de algum tipo de  dieta é recomendável cores mais calmas.

– O excesso de luminosidade de uma parede branca atrás da televisão atrapalha a concentração na tela. A dica é pôr uma estante ou outra cor na parede.

Em caso de dúvidas consulte sempre um Consultor de Cores especializado em interiores, pois irá auxiliá-lo a deixar o seu projeto mais colorido, seu cliente mais satisfeito e você mais feliz.

See you soon!

ASSINATURA

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s